Archive for the 'Carreira' Category

O que diferencia um bom currículo em TI?

Empresas de recrutamento e outros especialistas em carreira costumam ter na ponta da língua uma lista de conselhos de como preparar um bom currículo, especialmente para diferenciar-se da concorrência. A intenção é válida, mas o problema nesses casos está no fato de que nem sempre os conselhos se aplicam aos profissionais de TI e à natureza do trabalho do setor, analisa a gerente da Sapphire Technologies – empresa de recrutamento na área de tecnologia da informação –, Shana Westerman.

A especialista avalia que os currículos de TI se diferenciam de outros segmentos porque os profissionais precisam comunicar uma série de conhecimentos, técnicos e operacionais. “Como a tecnologia muda muito rapidamente e o trabalho em TI é bastante baseado em projetos, apresentações genéricas podem acabar sendo um ‘desserviço’ para o profissional”, alerta Shana.

Ela conta que hoje recebe, em média, 300 currículos por dia de pessoas interessadas em trabalhar com tecnologia da informação. A gerente da Sapphire faz uma triagem desse material para enviar aos seus clientes, que são gerentes de TI e executivos de grandes e médias empresas interessados em contratar profissionais.

Shana analisa que muitos dos currículos de TI que recebe são curtos demais para que ela analise se as competências dos profissionais se encaixam nas necessidades das vagas que precisam ser preenchidas. “As pessoas não serão convidadas para um encontro com um possível empregador se não demonstrarem que estão aptas para isso. O currículo é a única ferramenta que leva as pessoas para a entrevista de emprego”, alerta.

A seguir, a especialista elenca os quatro grandes equívocos que os profissionais precisam evitar na hora de preparar um bom currículo em TI:

1. Tamanho certo
Na visão de Sarah os currículos de TI são muito influenciados pela natureza complexa das tarefas do que por um diferencial competitivo no mercado. Ela acredita que a recente crise e a necessidade dos profissionais incorporarem múltiplas tarefas tem modificado a natureza do que as empresas buscam em um candidato.

Os potenciais empregadores não estão interessados em documentos de apresentação muito curtos, como costumam aconselhar as consultorias em gestão. “Eles querem detalhes. O que significa ter um currículo com três ou mais páginas”, pontua a especialista. As informações precisam contemplar com quais tecnologias o profissional já atuou, o tamanho e o escopo dos projetos com os quais já lidaram e quais as principais habilidades.

“Eles [os contratantes] querem ver, de forma clara, se as pessoas têm os conhecimentos necessários, a partir de coisas que esses profissionais já fizeram no passado”, elenca a especialista.

Outra razão pela qual um currículo de uma ou duas páginas nem sempre funciona para profissionais de TI é porque as funções são bastante complexas e as pessoas costumam atuar em múltiplas tarefas.

“Se a pessoa tem cinco ou mais anos em TI, em especial no caso de técnicos, é perfeitamente normal que o documento tenha três, quatro ou até cinco páginas”, informa.

2. Reforce competências
Especialistas em recolocação profissional costumam indicar que quem busca um emprego deve evitar informações repetidas no currículo, como forma de ganhar espaço. Isso é uma má ideia, alerta Shana. Segundo ela, os interessados em contratar alguém costumam verificar se a pessoa teve uma experiência profunda com tecnologias ou temas específicos.

“Se alguém busca um profissional com conhecimento em gestão do orçamento e só vê esse tema tratado em uma ou duas partes do currículo, pode considerar que falta capacitação nessa área”, considera a especialista.

3. Uso de cargos
As consultorias que ajudam na recolocação de profissionais recomendam que quem busca um emprego utilize cargos exatos no currículo. A executiva discorda desse conselho. Para ela, na área de TI, muitas vezes o nome do cargo não corresponde às atribuições, por isso, é importante detalhá-las.

Como exemplo, ela diz que algumas instituições bancária dão o cargo de vice-presidente (VP) para profissionais que cuidam da gestão de projetos ou de políticas, em vez de restringir o título apenas a posições executivas. “Se você tem a experiência como VP em seu currículo, mas está se candidatando a uma vaga de gestor de projeto, o possível contratante pode colocá-lo automaticamente fora do processo, achando que você é muito sênior para a posição”, exemplifica Shana.

O truque para explicar um cargo é ser claro. Ou seja, o profissional deve descrever exatamente suas funções anteriores, até para que isso seja confirmado por pessoas que sejam procuradas para dar referências.

4. Diagramação adequada
Alguns especialistas em contratação recomendam que as pessoas incluam cores e elementos gráficos – como um logotipo ou uma foto – no currículo. O objetivo é fazer com que o documento se destaque entre os demais.

A gerente da Sapphire ressalta que nem sempre um currículo ‘enfeitado’ vai atrair um possível empregador, pelo contrário. “As pessoas só querem um documento que seja fácil de ler”, adverte.

Atraindo talentos da Geração Y para sua empresa

Hoje eu visitei o site de um xará… Seu nome? Ricardo Martins. Isso mesmo! Ele é desenvolvedor e trabalha com desenvolvimento web e seo. O cara parece ser legal e o site dele é muito interessante, confira em http://ricardomartins.info

Lá eu lí um texto, que gostei bastante então vou transcrever aqui. Esse texto, ele retirou de um e-mail do Quebra-Tudo, um newsletter periódico da Biz Revolution – outro site que eu não conhecia e gostei bastante.

O texto mostra aspectos interessantes da Geração Y e 6 requisitos que uma empresa precisa ter para atraí-los. Confira:

Primeiro Parágrafo:

O funcionário pode demitir o chefe. Ok, eu aceito trabalhar na sua empresa. Mas, se o meu chefe não for excelente o suficiente para me liderar eu quero ter a liberdade para falar com alguém sobre como trocar de chefe. A geração de jovens da BASF está acostumada a ter as situações modificadas para atender as suas vontades (controle remoto, celular, internet, cartão de crédito, diferentes rodas de amigos etc). Você pode achar isso errado, mas eu acho isso bacana. Por que aceitar as coisas como sempre foram? Por que? Por que? Por que?

A pergunta que não quer calar é: COMO É POSSÍVEL UM PAÍS EM DESENVOLVIMENTO COMO O BRASIL NÃO TER TRABALHO PARA TODAS AS PESSOAS?

Como pode???!!! Como pode um lugar que não tem escolas, não tem empresas, não tem estradas, não tem hospitais, não tem faculdades, não tem teatros e cinemas, não tem parques, não tem campos de futebol o suficiente para TODAS as pessoas NÃO TER EMPREGO PARA TODAS AS PESSOAS????

Somos ou não somos MUITO RUINS???

Eu quero mudanças, MUDANÇAS REAIS!!

Segundo Parágrafo:

Ninguém precisa ficar mais que 8 horas por dia em um escritório. Ok, eu aceito trabalhar na sua empresa. Mas, quantas horas exatamente de trabalho você precisa de mim? Eu trabalho muito mais rápido do que as gerações anteriores. Se você me der diretrizes claras eu vou fazer o meu trabalho no tempo que tem que ser feito sem perturbar ninguém. A geração BASF adora trabalhar, mas sabe que consegue realizar a maioria das suas funções do conforto da sua casa, ou de uma Starbucks.

A coisa mais imbecil que alguém pode estar fazendo nesse momento é torrando milhões de reais com o aluguel ou compra de escritórios sofisticadíssimos em algum ponto ultra valorizado da cidade.

Essa compra é boa apenas para a elite da cidade que está faturando uma grana federal em cima de alguns executivos boçais que precisam de status para se manter no cargo.

Terceiro Parágrafo:

A Facebook é tão importante quanto o meu salário. Ok, eu aceito trabalhar na sua empresa. Mas, se você proibir o acesso a Facebook, Orkut, Blogs, G-Mail, YouTube, Twitter ou qualquer mídia social eu peço demissão. Os velhos caquéticos não conseguem entender o que existe de tão interessante nas mídias sociais. Para a geração BASF checar as últimas atualizações da Facebook é a mesma coisa que checar os recados na caixa postal da sua secretária eletrônica. Ok, fique para trás. Desculpe. A geração BASF entende que as mídias sociais são uma excelente maneira de fazer networking, aprender, descobrir insights, vender, fazer negócios e prosperar.

Quarto Parágrafo:

O meu Salário é tão importante quanto o meu Trabalho. Ok, eu aceito trabalhar na sua empresa. Mas, não me venha com vídeos e palestras motivacionais imbecis para me iludir quando não puder me pagar bem. Eu quero liberdade para cobrar um aumento de salário quando eu sentir que mereço. A geração BASF se sente completamente a vontade em cobrar o que lhe é devido. Essa geração quer VENCER, não quer enrolação. Chega desse papo furado de “Brasil País do Futuro”, se você não brigou por um país melhor para você e para a sua geração o problema é seu. Eu quero mudanças.

Quinto Parágrafo:

Eu quero estudar no horário de Trabalho. Ok, eu aceito trabalhar na sua empresa. Mas, eu quero ter a autonomia de formar grupos de trabalho para estudar como seremos mais inovadores e responsáveis dentro do horário de trabalho. A faculdade não vai resolver o problema da empresa. A Geração BASF sabe que tem que continuar a estudar a vida inteira, e praticar o que aprende. Funcionários lendo livros e estudando manuais da empresa em pleno horário de trabalho parece doideira para muitos velhos obsoletos que circulam por aí, mas faz todo o sentido para a geração BASF.

Muitos não entendem isso, mas VENCER é sobre estudar o ambiente em que estamos vivendo a aplicar o que aprendemos imediatamente.

Sexto Parágrafo:

Eu quero o meu Mestre Jedi! Ok, eu aceito trabalhar na sua empresa. Mas, eu quero saber quem será o guru que irá me bater, me colocar no eixo, fornecer feedbacks, apertar o meu calo, torcer o meu pescoço quando eu precisar. Eu não preciso de motivação, eu preciso de direção! Eu quero um Coach! Eu quero alguém para me orientar. Eu quero alguém que realmente se importa com o crescimento das pessoas. Essa geração não aceita autoridade por autoridade, mas respeita quem demonstra conhecimento, assertividade e incrível vontade de ENSINAR e VENCER. Relatórios Anuais de Desempenho ou Feedback 360 graus é para imbecil. A geração BASF quer feedback TODOS OS DIAS. A geração BASF está acostumada com paparicação todos os dias. Seja na Facebook, Orkut, Twitter etc, a geração atual quer interação e feedacks imediatos.

Não seja envergonhado, saia de trás da sua mesa caquética de mogno envelhecido e entre na conversa.

Leia o artigo completo aqui.

O texto transcrito acabou aqui, mas se você gostou do texto e se interessou pelo assunto “Geração Y”, confira esse site: http://www.minhacarreira.com/

Sobre carreiras, TI e empreendedorismo conheça http://www.tribodomouse.com.br/ , http://www.saiadolugar.com.br/ e http://www.tiredopapel.com.br/

E aproveitando o assunto “Carreira”, você precisa ler os textos abaixo:

https://gist.github.com/556029 – Um tweet do Vinícius Teles (@viniciusteles)

http://vp.blog.br/o-que-voce-esta-aprendendo-hoje – Excelente texto de Vítor Pellegrino

http://1up4dev.org/2011/02/pare-de-chorar-e-mexa-se/ – Post de Plínio Balduino

Abraços!

Cuidado com o hábito de procrastinar

Quantas vezes já ocorreu de você deixa alguma coisa pra depois e aoportunidade passar? Quantas idéias você teve, não implementou e, quando se deu conta, elas não teriam mais o mesmo efeito se fossem implementadas?

Segundo o dicionário Aurélio, procrastinar é “transferir para outro dia; adiar; delongar, demorar”.

Há pessoas que têm o mau hábito de procrastinar: deixam tudo para depois, não fazem o que têm para fazer na hora em que deve ser feito. Bom, essas pessoas não sabem o que perdem. São avaliadas por outros apenas pelo seu hábito de procrastinar. Vivem dando desculpas do tipo “vou deixar para depois”, “daqui a pouco eu faço”, “farei quando tiver mais tempo”, “não gosto de fazer nada correndo”. É preciso vencer esse hábito dão prejudicial.

Faça uma análise de seus afazeres para verificar se não desenvolveu (às vezes até inconscientemente) o hábito de procrastinar. Perceba quantas coisas estão atrasadas e quantas outras você tem deixado para depois. Preste atenção em quantas tarefas você já poderia ter cumprido mas estão engasgadas, tomando espaço na sua mente, tornando-se fatores estressantes, porque sempre retorna à sua lembrança o fato de você ainda não tê-las feito.

É preciso ter a percepção que o famoso “do it now” (“faça agora”) dos americanos é um grande fator de sucesso profissional.

Não se esqueça, use o follow-up, e escreva seus objetivos e metas.

Desconto de 50% nas Certificações Microsoft para Estudantes

Você sabia? Desde Novembro/2009 a Microsoft está com uma promoção oferecendo 50% de desconto para estudantes em suas provas de certificação?

As provas que hoje tem um preço normal de U$ 80,00 vão sair por U$ 40,00 para os estudantes.

São dezenas de provas nas categorias Microsoft Certified IT Professional (MCITP), Microsoft Certified Systems Administrator (MCSA), Microsoft Certified Desktop Support Technician (MCDST), Microsoft Certified Applications Developer (MCAD) e Microsoft Certified Technology Specialist (MCTS).

Confira a lista completa de provas disponíveis na promoção em http://www.prometric.com/microsoft/student.

A promoção é válida até 30 de junho de 2010.

Para obter o desconto, você deve:

  1. Acessar o site da promoção;
  2. Escolher a prova de certificação desejada;
  3. Preencher um pequeno formulário com nome e e-mail. Você irá receber um e-mail de confirmação contendo o código promocional, imprima este e-mail.
  4. Vá até um Centro de Testes Autorizado Prometric, você encontra a lista em http://www.prometric.com/Microsoft/default.htm, levando o código promocional e um comprovante de que você é estudante, pode ser qualquer carteira de estudante ou carteira da universidade e marque a sua prova.

* Importante: Para esta promoção, não é possível marcar a prova pelo site da Prometric, é necessário ir até um Centro de Testes Prometric, com o código promocional e o comprovante de estudante.

Abraços e boas provas!

Termine o que começar: use o follow-up

Follow-up significa “acompanhar”, “seguir”. Dar segmento às coisas é uma verdadeira arte que poucas empresas sabem desenvolver. Temos muitas idéias, muitas boas idéias. Começamos a implantar quase todas ao mesmo tempo mas… não cuidamos nem damos seguimento à sua implantação. Em pouco tempo, todas desaparecerão. Não ficará uma sequer pra contar a história.

Desde o uso do crachá (que é implantado com toda a cerimônia e em pouco tempo é esquecido) até e-mail de cumprimentos de aniversário de clientes, muitas coisas têm início e desaparecem com o passar do tempo por falta de follow-up. Você se lembra das reuniões com sua equipe que você disse que faria todas as segundas-feiras?

Temos idéias demais e queremos implantá-las todas ao mesmo tempo. Prometemos tudo sob i impacto da emoção do momento e acabamos desmoralizados perante nossos subordinados, porque quase tudo o que falamos não tem seguimento. Dificilmente vemos o resultado de nossas idéias, porque nos descuidamos de sua implantação. Sem acompanhamento, nada vai pra frente. As ordens, pedidos, orientações e projetos precisam ter um follow-up.

Recentemente lí uma pesquisa feita com empresários que dizia que a maioria das boas idéias são de fato abandonadas por falta de follow-up, não porque eram ruins. Elas dariam certo, constituiriam uma diferenciação espetacular para a empresa. desde que fossem implantadas como planejado e com follow-up. Acontece, porém, de serem abandonadas simplesmente por descuido e falta de acompanhamento em sua implantação. E, não raras vezes, essas mesmas idéias dão certo em empresas concorrentes, pelo fato de serem implantadas como deveriam: com follow-up.

Analise quais das idéias já implantadas não tiveram continuidade por falta de follow-up. Identifique as razões ara o abandono. Você descobrirá que muitas delas foram largadas à própria sorte. E , daqui por diante, ao implantar algo na sua empresa ou no seu cliente, ou mesmo começar algum projeto particular, lembre-se de fazer um bom follow-up!

Falta Atitude, Não Currículo

Se o título chamou a sua atenção, você não pode deixar de ler essa entrevista do Business Opportunitites Weblog Brasil com o especialista na área de empreendedorismo, consultor do Sebrae e participante, como conselheiro, no programa de TV O Aprendiz, ao lado de Roberto Justus, o empresário Cláudio Forner, de Porto Alegre, acredita que o sistema de ensino brasileiro não colabora para a formação de empreendedores. Mas também acha que falta atitude nos jovens e profissionais do mercado.

Continue lendo aqui.

MCP agora tem cartão de visitas virtual

Essa dica eu ví lá no blog do Emílio Mansur [recomendo fortemente a visita] e vou compartilhar com vocês.

Para “provar” que um profissional certificado Microsoft é realmente um profissional certificado, existem várias formas de verificação. A mais utilizada é o uso do Transcript Sharing Code, mas ele envolve o processo da pessoa ir no site e inserir um login e access code fornecido pelo profissional.

Antigamente os profissionais recebiam um Welcome Kit com uma carta, certificado e o cartão de identificação.

Devido a uma inciativa “verde”, os Welcome Kits não são mais enviados gratuitamente, mas o profissional pode baixar seus certificados pelo site restrito e também pode pagar uma pequena taxa para o envio do Welcome Kit.

Desde o dia 8 de dezembro, a Microsoft apresentou mais uma novidade: Os cartões de visita virtuais para profissionais certificados.

Basta visitar http://www.mcpvirtualbusinesscard.com e se cadastrar!

O cartão é bastante personalizável e apesar do site estar em Inglês, creio que a maioria das pessoas não terão problemas. Durante a visita ao site, será solicitado seu Passport e portanto, seu cartão virtual terá como validar suas informações no site de MCP.

Melhor ainda, você “ganha” um site pessoal com seus dados verificados. [Clique e veja o meu]
Bem mais agradável que o Transcript On-Line.

Veja abaixo o cartão virtual interativo (iframe) que eu criei pra mim. Você também pode gerar um cartão no formato jpeg, mas eu achei esse mais bonito pra colocar aqui:

[iframe https://www.mcpvirtualbusinesscard.com/VBCServer/RicardoMartins/interactivecard 420 200]


Visitantes

  • 241,374 Acessos